quinta-feira, 19 de abril de 2012

Comemorar aniversário em Santos a noite passada: presente antecipado de aniversário.
Que noite mais linda nesse mundo.
Feliz demais, pela clareada que deu nas minhas ideias, pelas pessoas incríveis que Deus não cessa em colocar ao meu lado. Por dividir o aniversário com a Fer e perceber como foi importante pra ela... por cada segundo da noite. Com dias assim é que a semana muda de cara. Totalmente :)
"Não me falta a casa, só falta ela ser um lar."

domingo, 15 de abril de 2012

A liberdade é a possibilidade do isolamento.

A liberdade é a possibilidade do isolamento. És livre se podes afastar-te dos homens, sem que te obrigue a procurá-los a necessidade de dinheiro, ou a necessidade gregária, ou o amor, ou a glória, ou a curiosidade, que no silêncio e na solidão não podem ter alimento. Se te é impossível viver só, nasceste escravo. Podes ter todas as grandezas do espírito, todas da alma: és um escravo nobre, ou um servo inteligente: não és livre. E não está contigo a tragédia, porque a tragédia de nasceres assim não é contigo, mas do Destino para si somente. Ai de ti, porém, se a opressão da vida, ela própria, te força a seres escravo. Ai de ti se, tendo nascido liberto, capaz de te bastares e de te separares, a penúria te força a conviveres. Essa, sim, é a tua tragédia, e a que trazes contigo.
Nascer liberto é a maior grandeza do homem, o que faz o ermitão humilde superior aos reis, e aos deuses mesmo, que se bastam pela força, mas não pelo desprezo dela.
A morte é uma libertação porque morrer é não precisar de outrem. O pobre escravo vê-se livre à força dos seus prazeres, das suas mágoas, da sua vida desejada e contínua. Vê-se livre o rei dos seus domínios, que não queria deixar. As que espalharam amor vêem-se livres dos triunfos que adoram. Os que venceram vêem-se livres das vitórias para que a sua vida se fadou.
Por isso a morte enobrece, veste de galas desconhecidas o pobre corpo absurdo. É que ali está um liberto, embora o não quisesse ser. É que ali não está um escravo, embora ele chorando perdesse a servidão. Como um rei cuja maior pompa é o seu nome de rei, e que pode ser risível como homem, mas como rei é superior, assim o morto pode ser disforme, mas é superior, porque a morte o libertou.
Fecho, cansado, as portas das minhas janelas, excluo o mundo e um momento tenho a liberdade. Amanhã voltarei a ser escravo; porém agora, só, sem necessidade de ninguém, receoso apenas que alguma voz ou presença venha interromper-me, tenho a minha pequena liberdade, os meus momentos de excelsis.
Na cadeira, aonde me recosto, esqueço a vida que me oprime. Não me dói senão ter-me doído.

(Livro  do Desassossego por Bernardo Soares. Fernando Pessoa)

"A liberdade é a possibilidade do isolamento.(...) Se te é impossível viver só, nasceste escravo"  
Acho que é disso que ele vinha me falando...Agora entendo, mas ainda parece difícil. 

terça-feira, 10 de abril de 2012

What a day...

You had a bad day...

Sério que as vezes seria muito mais simples se as coisas todas se conciliassem, se os planos que voce passou o fim de semana fazendo não te dessem uma bica na boca tão de cara assim. Se reconhecer que voce precisa amadurecer pra aprender a lidar com uma série de coisas ja bastasse.
Poxa, que dia dificil... Olhando de fora pode até parecer um dia bobo e pequeno. Mas aqui dentro de mim gerou tanto conflito. Porque a gente gosta da pessoa, tem carinho por ela, entende as razoes disso e ao mesmo tempo imagina que seria -paleativamente- mais facil sem sela? Eu queria umas férias das pessoas as vezes... pelo bem do sentimento, sabe? Pela manutenção do carinho e do afeto. Pela minha manutenção.
As minhas contradições, meus defeitos, os defeitos da minha familia, dos meus amigos, das minhas verdades estão sendo refletidos em outros e em familia e amigos de outros, em verdades de outros, enfim...
Que merda de dia chato, que me cansou, que me tirou do sério, que me fez sorrir sem ter vontade, que me impede de chorar por incapacidade e que termina sem a sensação de se estar em casa nem mesmo na hora de dormir. E voltar pra casa dos meus pais também não me daria essa sensação.
Que dia ruim, que sensação chata...

And I don't need no carryin' on
"Nós dois temos encontro marcado, eu só não sei quando..."

Na boa Jorge Vercilo s2, todo mundo já sacou que foi pra mim que você escreveu essa música.
Beijos pra você também, lindo. A gente se esbarra por ai...

(Ok, dai eu acordo. hueahueahueahueauha)

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Laços e Nós

A aprendizagem diária, constante, que consegue ser dolorida e prazerosa ao mesmo tempo. A didática que me alcançou e me modificou, na espessura do meu ser, da maneira mais profunda e superficial, mais incrível e nítida. 
A lição que nunca cessa de ser ministrada, pela vida, pela família, pelos amigos, pela solidão... 
Tem certas coisas que a gente jamais termina de entender, que a gente jamais vai saber viver integralmente, da forma mais correta. Porque não há o correto, não há o ideal. O que há, verdadeiramente, é a sua forma de lidar com seus aprendizados, e o seu empenho em alcançar os outros da melhor forma que puder, da forma mais sensível e mais autêntica que for possível. O coração do outro pode ser terreno onde ninguém pisa o tempo todo, mas, não necessariamente deve ser terreno inacessível.

Hoje foi o Mário Quintana que me alcançou e me fez conversar comigo, assim que o reli advertindo: 
"Não prenda, não aperte, não sufoque.
Porque quando vira nó, já deixou de ser laço."

e percebi que eu entendi, não o que ele quis dizer, pois só ele o sabe, mas a forma única como isso tem se aplicado gradativamente na minha vida. Valeu Quintana! ♥